avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Petinha-marítima
Anthus petrosus
Identificação
Bastante parecida com a petinha-ribeirinha, da qual é de difícil separação, apresentando, tal como esta
espécie, as patas escuras. A primeira pista virá do habitat, sendo que esta espécie ocupa habitats muito
mais costeiros do que a ribeirinha, sendo frequentemente observada em rochas junto ao mar ou esporões,
assim como outros habitat entre-marés como sapais (onde pode coexistir com a petinha-ribeirinha). As
principais características que as distinguem são os tons mais esverdeados, bico mais comprido e
pontiagudo e, especialmente, o riscado mais grosseiro nas partes inferiores, em particular nos flancos.
Situação em Portugal:
As observações desta espécie encontram-se sujeitas a homologação pelo Comité Português de Raridades.

Até final de 2011 foram homologadas 13 observações (*):
  • 1992, 8-Nov, Ericeira, 5, R Matias (Anuário 4) - ver NOTA
  • 1996, 3-Nov, estuário do Minho, 3, C Pacheco, M Lecoq, J Ministro, R Lopes (Pardela 8)
  • 1996, 27-Nov, Sagres, 2, C Noivo, G Faria (Pardela 8)
  • 1998, 19-Jan, Moledo, Caminha, C Vidal (Pardela 11)
  • 1998, 16-Nov, Moledo, Caminha, C Vidal (Pardela 11)
  • 1998, 19-Dez, Porto de Sagres, 2, G Elias, F Walker (Pardela 11)
  • 2005, 18-Dez, Ericeira, CC Moore, P Holt (Anuário 5)
  • 2006, 30-Dez, Parede, CC Moore, P Holt (Anuário 6)
  • 2008, 10-Out, Peniche, P. Ramalho (Anuário 7)
  • 2008, 20-Dez, cabo Raso, A. Gonçalves (Anuário 7)
  • 2009, 14-Dez, cabo Raso, A. Gonçalves (Anuário 7)
  • 2010-11, 14-Dez a 31-Jan, estuário do Cávado, 1 ind., J. A. Silva (Anuários 8 e 9)
  • 2011, 6-Fev a 10-Fev, porto de Sagres, 2 inds., 1-ind. a 10-Fev, N. Fonseca, D. Cortes e outros
    (Anuário 9)

Outras observações:
  • 1992, 14-Mai, Carvalhelhos, Boticas, L Reino, R Rufino, R Neves (Airo 4-2)
  • 1988, 18-Dez, praia da Luz-Lagos, 1 ind., por S. Tonge
  • 1994, 6-Mar, Molhe da Barra, Aveiro, L Gordinho, P Marques, A Luís (Airo 6-1,2)
  • 2010, 17-Jan, Ericeira-Mafra, 1 ind., por F. Canário
  • 2011, 14-Jan, porto de Sagres, por M. Mendes
  • 2012, 27-Jan, foz do Cávado, 1 ind., por J. Silva
  • 2012, 20-Out, Berlenga, 1 ind., por M. Robb e L. Gordinho
  • 2012,  3 a 15-Nov, Sagres, 1 ind., por A. Leitão
  • 2013, 14-Jan, foz do Cávado, 1 ind., por J. Silva
  • 2013/2014, 14-Out a 1-Mar, porto de Peniche, 1 ind, por T. Valkenburg e F. Azevedo
  • 2013, 19-Out a 27-Nov, molhe leste-Peniche, 2 ind., por P. Ramalho e H. Cardoso
  • 2013, 29-Out, molhe sul, Aveiro, 1 ind., por P. Moreira
  • 2013, 26-Nov a 16-Dez, foz do Cávado, 1 ind., por J. Silva
  • 2013, 14-Dez, Sagres, 1 ind., 14-Dez, por N. Barros
  • 2014, 3-Out, praia do Cabedelo-Vila Nova de Gaia, 1 ind., por A. Mota
  • 2014, 6-Out, marinas da Troncalhada-Aveiro, 1 ind., por P. Leite
  • 2014, 23 a 30-Nov, porto da Baleeira-Sagres, 1 ind, por A. Leitão, P. Alves e outros
  • 2015, 15 a 26-Jan, foz da ribeira de Oeiras, um ind., por J. Frade
  • 2015, 26 a 29-Out, porto da Baleeira-Sagres, 3 ind., por M. Davis
  • 2015, 15-Nov, foz do rio Lis, 1 ind., por A. Sousa
  • 2016, 01-Fev, ribeira de Aljezur-Aljezur, 1 ind., por P. Ramalho, T. Valkenburg, N. Barros e outros
  • 2016, 06-Mar, estuário do Douro, 1 ind., por F. Bernardo
  • 2016, 22-Out, cais da Cambeia-Murtosa,1 ind., por M. Xestoso
  • 2016, 10 a 26-Nov, porto da Baleeira-Sagres, 2 inds., por J. Safara, A. Leitão, e outros
  • 2017, 15-Jan, ria de Alvor, 1 ind., por T. Guerreiro
  • 2017, 25-Fev, Moinho da Asneira, V. N. Mil Fontes, 1 ind. anilhado, por R. Jorge
  • 2017, 31-Dez, foz do Rio Alcoa-Nazaré, 1 ind., por J. Tomás
  • 2018, 11 a 14-Jan, molhes da Figueira da Foz, 1 ind., por L. Silva e P. Lopes

(*) - No Anuário 8 é referido que o número total de registos é de 11, no que se supõe ser um erro de
contagem, pois o total não parece ter sido correctamente actualizado no relatório do Anuário 6.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites

Ver Anthus petrosus num mapa maior
Mapa dos registos de Anthus petrosus em Portugal Continental
Discreta, esquiva e nem sempre fácil de identificar, a petinha-marítima é considerada formalmente uma
raridade, mas a ocorrência desta espécie oriunda da Europa setentrional poderá ser regular nalguns locais
da costa portuguesa.