avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Bico-de-lacre
Estrilda astrild
Os bicos-de-lacre fazem-se muitas vezes notar pelo seu peculiar chamamento. Quando o observador
procura a origem do som, muitas vezes vê um conjunto de “pontinhos” a passar a grande velocidade. Esta
minúscula ave, originária de África, foi uma das primeiras espécies de aves não nativas a estabelecerem
uma população selvagem em Portugal.

esta espécie pertence à
categoria C
Identificação
Pequena ave granívora muito mais pequena que um pardal. Pode ser facilmente reconhecida pelo espesso
bico vermelho vivo, sendo esta a característica que mais chama a atenção. Também a máscara, que se
estende para trás do olho é de tom vermelho vivo. O resto da plumagem é dominada pelo castanho nas
partes superiores e nas asas, ao passo que o ventre tem tons avermelhados.

Abundância e calendário
Introduzido na lagoa de Óbidos em 1968, o bico-de-lacre expandiu-se rapidamente pelo território nacional e
hoje encontra-se amplamente distribuído pelo nosso território, sendo uma espécie relativamente comum.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
.
Clique na seta para ouvir as vocalizações do bico-de-lacre!
Parece ser mais frequente em zonas de baixa altitude, em especial
junto a zonas húmidas ou linhas de água com vegetação densa,
como caniçais e silvados. É assim mais abundante no sul que no
norte e mais comum no litoral que no interior, sendo raro ou
estando ausente da maior parte da Beira Interior e do nordeste
transmontano.
O bico-de-lacre pode ser visto em Portugal durante todo o ano e
nas zonas onde ocorre não é raro encontrar bandos, que podem
juntar desde meia dúzia até algumas dezenas de indivíduos.
Onde observar

Quase todas as zonas húmidas costeiras são boas para observar bicos-de-lacre.

Entre Douro e Minhoobserva-se nas zonas costeiras como por exemplo no estuário do Cávado e no estuário do Lima.
Tambem pode ser visto em Guimarães.

Trás-os-Montespouco abundante nesta região, ocorre essencialmente nas zonas de menor altitude; pode ser visto
ao longo do rio Douro e também no vale do Tâmega, ate à zona de Chaves.

Litoral centro a lagoa de Óbidos, onde inicialmente terá sido introduzido, continua a ser um bom local para observar o
bico-de-lacre. Adicionalmente observa-se na ria de Aveiro e no baixo Mondego, nas lagoas de Quiaios e, por vezes, na
lagoa da Ervedeira.

Beira interiorpouco abundante, pode ser visto nas zonas de menor altitude na Beira Baixa e mais localmente na Beira
Alta (já foi visto na cidade de Viseu e também no rio Mondego, junto a Celorico da Beira).

Lisboa e vale do Tejocomum nas zonas baixas da região; os locais onde a espécie é mais abundante e fácil de
encontrar são o estuário do Tejo e o paul do Boquilobo. Também aparece no paul da Barroca, na lagoa de Albufeira, na
várzea de Loures e no vale do Sorraia junto a Coruche.

Alentejofácil de observar junto à costa, nomeadamente no estuário do Sado, na lagoa de Santo André e na ribeira de
Moinhos. Mais para o interior, pode ser visto junto à lagoa dos Patos, na zona de Elvas e, ocasionalmente, junto à
barragem da Póvoa.

Algarveobserva-se um pouco por todo o litoral algarvio, em especial junto às zonas húmidas; entre os locais onde é
mais frequente contam-se o paul de Lagos, a ria de Alvor, as salinas de Odiáxere, o estuário do Arade, a lagoa das
Dunas Douradas e a Boca do Rio.