avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Fuselo
Limosa lapponica
Identificação
Ao observador, a característica mais saliente desta espécie é o seu enorme bico, fino e ligeiramente
encurvado para cima. O aspecto geral é semelhante ao
maçarico-de-bico-direito, diferenciando-se pelo
dorso mais malhado, patas e corpo mais pequenos. Em voo, são visíveis mais algumas diferenças, como a
cauda barrada e a ausência de painéis brancos nas asas. Na plumagem de Verão, o bico é escuro, assim
como o dorso. Nessa época, o macho e a fêmea apresentam diferenças nas tonalidades, sendo o primeiro
vermelho-ruivo nas faces, pescoço, peito e abdómen, enquanto a fêmea é mais pálida. Na plumagem de
Inverno, apresentam uma plumagem acastanhada, com o dorso riscado.
Abundância e calendário
O fuselo é um migrador de passagem e invernante. A população invernante concentra-se quase unicamente
em apenas três ou quatro grandes zonas húmidas, enquanto que durante as passagens surge com mais
frequência em pequenas lagoas e estuários. O melhor período de observação situa-se entre os meses de
Outubro e Fevereiro, sendo esta uma espécie regular junto a grandes zonas estuarinas e sistemas
lagunares junto ao litoral. Ocorre também em alguns pauis e rias do nosso território.
Onde observar

Esta limícola encontra-se sobretudo nas grandes zonas húmidas do país, sendo mais comum
na metade sul do território. É muito rara no interior do país.

Entre Douro e Minho – pouco frequente nesta região, pode, ainda assim, ser observada
nos estuários do Lima, do Cávado e do Douro, embora em baixos números.

Litoral Centro –  a ria de Aveiro e a lagoa de Óbidos são os melhores locais de
observação; por vezes também se observa no estuário do Mondego.

Lisboa e Vale do Tejopode atingir concentrações grandes no estuário do Tejo, que é
dos melhores locais para a observação da espécie, sendo de referir nomeadamente: as
lezírias da Ponta da Erva (incluindo os arrozais da Giganta), as margens lodosas perto de
Pancas, o sítio das Hortas e o sapal de Corroios. O fuselo também é regularmente
observado no Parque do Tejo. Por vezes aparece na lagoa de Albufeira.

Alentejotrata-se de um invernante comum no estuário do Sado, pelo que esta zona
proporciona boas oportunidades de observação desta limícola, assim como a lagoa de
Santo André, onde está presente durante a passagem migratória.

Algarvesem dúvida que a ria Formosa é o melhor local de observação do fuselo, que
pode ser observado com facilidade nas zonas lodosas e de sapal como nas
proximidades de Quatro Águas, de Cacela Velha e nas salinas do aeroporto de Faro.
Ainda como locais interessantes para a observação da espécie encontram-se a reserva
de Castro Marim e a ria de Alvor; ocasionalmente esta limícola aparece na lagoa dos
Salgados ou junto à Quinta do Lago; na costa ocidental pode ocasionalmente ser visto na
Carrapateira e na ribeira de Aljezur, durante a passagem migratória.
Eis um exemplo das adaptações das aves ao tipo de alimento que buscam. Neste caso, estamos na
presença de uma ave com bico curvado para cima e longo que utiliza para capturar invertebrados no lodo.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites