avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados.
Narceja-galega
Lymnocryptes minimus
Embora não seja uma raridade, é uma das espécies que mais tardiamente entra na
lista dos observadores de aves, devido aos terrenos que frequenta e aos seus
hábitos particularmente furtivos.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Identificação
É uma limícola pequena e muito difícil de observar, pois possui um mimetismo que a
torna “invisível”, mesmo para o mais treinado dos olhares. Embora se assemelhe à
narceja-comum é muito mais pequena (cerca de metade do tamanho); o padrão da
plumagem, em tons de castanho, é semelhante ao das outras narcejas,
apresentando porém, no dorso, reflexos de verde-arroxeado; tem um bico e patas
mais curtos, um voo mais lento (por vezes «borboleante»), levantando a poucos
metros de distância do intruso. Além do mais é silenciosa e, quase sempre, pousa
«à vista» do observador, a 100-200 metros de distância no máximo.

Abundância e calendário
No nosso país é uma espécie invernante, chegando as primeiras aves a partir de
Outubro e podendo ser observadas entre nós até final de Março/início de Abril.
Frequenta os mesmos habitats da narceja-comum, tendo, no entanto, uma nítida
preferência por arrozais e zonas de paul. Ocorre de norte a sul, sobretudo nas
zonas húmidas do litoral, sempre em número escasso, desde que encontre zonas
alagadiças favoráveis e onde o nível de água não seja muito alto. No interior, a
norte do Tejo, a sua ocorrência é muito rara.
Onde observar

Os arrozais e os terrenos alagados são os melhores locais para procurar esta
pequena narceja.

Litoral centro Os melhores locais para encontrar esta espécie situam-
se na ria de Aveiro (particularmente a zona de Salreu), assim como nos
arrozais e pauis da bacia do Mondego (Quinta do Canal, Bizorreiro de
Lavos, Foja).

Lisboa e vale do Tejo – pode ser observada em bons números no
estuário do Tejo, nomeadamente nos arrozais da Ponta da Erva e nos
juncais das Marinhas da Saragoça, bem como nas zonas envolventes de
Samora Correia, Benavente, Salvaterra de Magos e paul da Barroca.

Alentejona bacia do Sado pode ser vista nas várzeas de Alcácer do
Sal, Santa Catarina, Rio de Moinhos, Moinho da Ordem, Comporta e
Alvalade e, junto ao estuário do Sado, nos arrozais do Zambujal, Monte
Novo, Terça, Batalha e Carrasqueira.

Algarveocasionalmente observa-se na ria de Alvor.
Estatuto de conservação em Portugal:

Informação insuficiente