avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Alvéola-branca
Motacilla alba
A alvéola-branca é uma das espécies mais conhecidas da generalidade das pessoas, com o seu típico
baloiçar da cauda e a combinação preto-e-branco da coloração.
Abundância e calendário
Trata-se de uma espécie mais comum na metade norte do
território, onde está presente durante todo o ano. Durante a
passagem outonal e no Inverno, a população reforça-se com a
chegada de aves de passagem e invernantes. Entre os meses de
Outubro e Março, a alvéola-branca é uma espécie comum na
metade sul do território, ocorrendo também a subespécie britânica
como invernante, embora neste caso seja mais escassa que a
subespécie nominal.
Onde observar

As zonas ribeirinhas, cursos de água e terrenos lavrados, parques e jardins, são os habitats de eleição da alvéola-branca.
Também nas pequenas localidades é facilmente avistada, sobretudo em regiões onde existe uma forte presença de gado e
pequenos cursos de água que as atravessam.

Entre Douro e Minhoos melhores locais de observação centram-se no estuário do Minho, no vale do Lima e nas
lagoas de Bertiandos, assim como na serra da Peneda. Ocorre igualmente no estuário do Lima. Tambem ocorre em
Guimarães. Na zona do Porto pode ser vista no Parque da Cidade e ainda no vizinho estuário do Douro.

Trás-os-Montesalguns dos melhores locais de observação são a veiga de Chaves, a serra do Alvão, a albufeira do
Azibo e a serra de Montesinho.

Litoral centro é uma das melhores regiões para observar esta espécie, que é comum no baixo Mondego, na ria de
Aveiro, na lagoa da Ervedeira, na lagoa de Óbidos, na serra de Aire e no vale do Vouga. Refira-se também as cidades de
Peniche e Pombal e a zona de São Pedro de Moel (pinhal de Leiria), onde esta alvéola pode ser vista a pequena
distância.

Beira interiorembora ocorra um pouco por todas as ribeiras e aldeias da região, pode ser mais facilmente localizada
na serra da Estrela, nas zonas de Celorico da Beira, Sabugal e Vilar Formoso e nas albufeiras de Santa Maria de Aguiar,
de Vilar e da Marateca.

Lisboa e vale do Tejopode ser avistada nas lezírias da Ponta da Erva, no Parque do Tejo e no cabo Raso, sobretudo
nas passagens migratórias e durante o Inverno. Também ocorre nas salinas de Alverca, no paul da Barroca, na lagoa
de Albufeira e em Cheleiros, especialmente durante o período de Inverno. Em Tomar observa-se na ilha do Mouchão.

Alentejodurante o Inverno é uma espécie mais comum que na Primavera. Na metade norte da região pode encontrar-
se em locais como a albufeira do Divor, a barragem da Póvoa, a Portagem (Marvão) e a zona de Elvas. Na metade sul,
ocorre regularmente no estuário do Sado, na albufeira do Alqueva e no sudoeste alentejano. Também pode ser vista em
Barrancos.

Algarvena epoca dos ninhos é pouco comum na região, observa-se principalmente nas ribeiras do concelho de
Alcoutim e também na região de Aljezur; no Outono e no Inverno e comum um pouco por toda a região, sendo
especialmente numerosa nas terras baixas do litoral, em locais como a ria de Alvor, o Ludo, Vilamoura, as lagoas dos
Salgados e das Dunas Douradas, na Quinta do Lago, as salinas de Odiáxere e junto ao cabo de São Vicente.
A alvéola-branca-enlutada M. a. yarrellii, oriunda das ilhas britânicas, aparece em Portugal no Outono e no Inverno.
Identificação
A alvéola-branca é bastante fácil de identificar, com o seu típico
padrão escuro na cabeça, garganta e dorso, que contrasta com o
branco no peito e abdómen, assim como nas faces. A cauda
comprida e patas compridas são extremamente visíveis, pois esta
ave passa bastante tempo no solo, baloiçando bastante a cauda,
no que é um comportamento bastante característico desta espécie.
A subespécie britânica
Motacilla alba yarrellii, que ocorre com
regularidade no nosso território, distingue-se por possuir a mancha
negra na garganta a estender-se até ao peito, e por ter o dorso
negro, ao contrário da subespécie nominal que o possui
cinzento-escuro (ver foto abaixo).
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
.
Clique na seta para ouvir as vocalizações da alvéola-branca!
.
Identificação
de alvéolas

Em Portugal
ocorrem
regularmente
três espécies
de alvéolas.

Para ficar a
conhecer melhor as
várias espécies,
clique na seta ao
lado e veja a nossa
apresentação!
..