avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Chasco-preto
Oenanthe leucura
Fácil de identificar mas difícil de encontrar, devido à sua escassez e à inacessibilidade da maioria dos
locais onde ocorre, o chasco-preto é uma ave enigmática, que falta na lista de muitos observadores de aves.
Identificação
Um pouco mais pequeno que um melro-azul, espécie com a qual partilha muitas vezes o habitat, o
chasco-preto pode ser difícil de identificar quando está pousado. Com efeito, se a cauda não estiver à vista,
a plumagem quase totalmente negra (macho) ou castanha (fêmea) pode revelar-se incaracterística,
sobretudo quando a ave é observada a grande distância. Contudo, quando visto em voo, este chasco é
inconfundível, pois o contraste entre a cauda branca (com um T preto na extremidade) e o resto da
plumagem de tom escuro é facilmente visível e elimina qualquer hipótese de confusão.
Onde observar

O Alto Douro é, sem dúvida, e melhor região do país para procurar esta espécie.

Trás-os-Montes – a zona do chamado Douro Vinhateiro, na região de Carrazeda de Ansiães, é favorável à observação
desta espécie, que também ocorre um pouco mais para montante, na zona de Barca d’Alva.

Beira interiorpode ser visto nas encostas junto ao rio Douro, particularmente na zona de São João da Pesqueira.
Ocorre igualmente nas zonas mais áridas da Beira Baixa, podendo ser visto ao longo do Tejo Internacional e, por vezes,
na zona de Segura.

Alentejoaté há alguns anos ocorria junto ao castelo de Marvão e na região de Barrancos, contudo, actualmente é
muito raro nesta região e poderá ja estar extinto na zona.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
.
Clique na seta para ouvir o canto do chasco-preto!
Abundância e calendário
Outrora mais comum do que actualmente, o chasco-preto é hoje
uma espécie rara a nível nacional; a sua área de distribuição tem
vindo a contrair-se progressivamente e encontra-se hoje limitada a
algumas zonas remotas do interior. Frequenta vales com
afloramentos rochosos, pousando em grandes rochedos ou em
edifícios isolados; no nordeste também ocorre em vinhas.
Contrariamente aos outros dois chascos que ocorrem em Portugal,
esta espécie é residente e pode ser observada durante todo o ano.