avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Paul da Madriz
O Paul abrange uma área de cerca de 40 hectares, de forma trapezoidal e alongada de SE para NO,
alargando-se para a zona ocidental, com cerca de 2 km de comprimento e uma largura média de 300 m,
sendo drenado pela Vala do Moinho que o atravessa e se liga à Vala do Canal.
A área do Paul foi ocupada principalmente pelo cultivo intensivo de arroz, tendo essa prática sido
abandonada a partir do início da década de 1960, subsistindo actualmente algumas áreas de cultivo
agrícola a montante e a jusante, para além da via férrea. Este abandono foi originado pela repartição da área
agrícola em pequenas parcelas associada às condições físicas do Paul que não possibilitava a utilização
de maquinaria, tornando impraticável a agricultura sustentável. Assim, presentemente somos contemplados
com um santuário para a fauna e flora.
Visita:
A progressão neste paul é difícil e a observação da avifauna aquática a partir das vertentes também é
dificultada pelo facto de esta zona húmida estar rodeada de bosques ripícolas. Mas porque “
só se ama o
que se conhece, e só de pode querer conservar o que se ama
” são sugeridos uma série de percursos, que
possibilitam percorrer o paul e a sua área envolvente, bem como parte do vale do Rio Arunca.
Melhor época: todo o ano

Distrito: Coimbra
Concelho: Soure
Onde fica: O Paul da Madriz localiza-se na região Centro, imediatamente a Sul da povoação do Casal do Redinho, na baixa do Rio
Arunca, sensivelmente a meio caminho entre Montemor-o-Velho e Soure. Próximo às auto-estradas A17, A14 e A1.


Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos:
Vista parcial do paul da Madriz, com a torre de observaçao
Daqui deve seguir em direcção ao Casal do Redinho,
percorrendo maioritariamente zonas agrícolas e alguma
floresta e matos A sua localização sobranceira ao paul
torna estes local importante como local de repouso e de
reprodução de diversas aves de rapina, como são os
casos da águia-d’asa-redonda, milhafre-preto, ógea,
peneireiro, açor e gavião que aqui nidificam.
Quando chegar à povoação, deve continuar pela primeira
rua alcatroada situada à sua direita que atravessa parte do
aglomerado urbano, até encontrar outra pequena rua que
parte do largo principal para o Paul da Madriz. Aqui deve
rumar para sul, em direcção à zona húmida, percorrendo
alguns campos agrícolas. Logo após o término da área
urbana deve escolher uma pequena estrada em terra
situada á direita que nos vai levar pela área envolvente do
paul. Depois de atravessarmos uma depressão de terreno,
seguir por um caminho carreteiro para sul até atingirmos
um poste de suporte de linhas eléctricas de média tensão.
Um pouco mais à frente escolher o caminho esquerdo até
alcançarmos um lavadouro público que se encontra
desactivado. Logo após ultrapassarmos esta estrutura, à
esquerda, escolher um pequeno carreiro que nos vai levar
até uma estrada de terra que percorre terrenos agrícolas
na sua parte plana e pinhal na sua zona terminal. Já
próximo da parte final do percurso, atingirá o Paul da Madriz.
Neste ponto, além do caniço e do bunho, este biótopo é
composto também por tabúas, juncos e junças. Regista-se
a ocorrência de inúmeras espécies de aves nidificantes,
entre as quais
rouxinol-bravo, garçote, garça-vermelha,
tartaranhão-ruivo-dos-pauis e rouxinol-pequeno-dos-
caniços. Este biótopo desempenha um papel primordial na
migração outonal de passeriformes trans-saarianos,
sendo possível observar os bandos pré-migratórios de
andorinhas que utilizam o caniçal como dormitório.
O visitante que pretenda conhecer o Paul da Madriz deve
iniciar os percursos num dos três pontos assinalados.
Para lá chegar pode optar por dirigir-se na sua viatura
directamente aos locais referenciados ou então, partir das
povoações limítrofes aproveitando as estradas de terra e
percorrer arrozais, pinhais, galerias ripícolas e terrenos
agrícolas, onde poderá observar uma fauna e flora
abundante. Aconselhamos iniciar a visita a partir da
povoação de Alfarelos e dirigir-se aos campos de arroz,
mais conhecidos por Paul de Alfarelos. Face à posição de
altitude elevada em relação ao vale do Rio Arunca,
apreciará uma paisagem deslumbrante. Caso opte por
partir de Vila Nova de Anços, deve percorrer a estrada de
terra marginal ao Rio Arunca. Aconselhamos a subida ao
Outeiro da Nª Srª dos Remédios, local onde poderá
apreciar a vista sobre o Paul da Madriz e o Vale do Baixo
Arunca. e pretender iniciar a sua marcha em Ribeira da
Mata, percorrerá uma área agrícola, pinhal e apreciará um
dos maiores bosques ripícolas que rodeiam esta zona
húmida. As povoações referenciadas situam-se ao longo
da estrada que liga as localidades de Soure e
Montemor-o-Velho.

Percurso 1
obtém-se uma excelente panorâmica dos arrozais do Baixo
Arunca e do vale onde está encaixado o Paul da Madriz. O
facto de os arrozais serem um meio semi-aquático
confere-lhe uma importância redobrada em termos de área
de alimentação para a avifauna. Os arrozais partilham a
importância dos lagos e charcos relativamente às garças e
limícolas, quer na época de migração, quer no Inverno
nomeadamente por espécies como a
garça-real, o No
início deste percurso, aproveitando a altura do viaduto , o
papa-ratos, a colhereirocegonha-branca, o , co
maçarico-de-bico-direito, o abibe e o maçarico-galego.
No período de Inverno, é possível observar aqui importantes concentrações de marrequinha que utiliza este meio como refúgio.
Para atingir o término do percurso, deve voltar para trás, sempre pelo caminho de terra até chegar à estrada de terra que percorreu
no início do percurso.

Percurso 2
É no largo principal do Casal do Redinho que tem início o percurso 2. Daqui deve seguir para sul, obedecendo a uma placa
identificativa presente neste local até atingir o término da área urbana. Prosseguir por um caminho de terra situado à direita, que
percorre pequenas extensões de terrenos agricultados, muito parcelados e de áreas muito pequenas ocupados por olival, vinha,
hortas, pomares e culturas arvenses. Este mosaico diversificado oferece um leque variado de condições de alimentação ao longo do
ano, sendo utilizado por um grande número de espécies faunísticas, o que atesta a sua importância. Verifica-se a sua utilização
como terreno de caça pela
coruja-do-nabal, bem como a presença no Inverno de bandos de passeriformes, constituídos
principalmente por
petinha-dos-prados e tentilhão. São também de referir espécies como a petinha-dos-campos, a cotovia-arbórea,
a
ferreirinha-comum e, na migração, o papa-moscas-preto.
Logo que atinja o ponto de separação com o percurso 1, deve prosseguir por um caminho carreteiro à sua esquerda até encontrar
uma estrada de terra. Prosseguir para sul até atingir uma eira com uma estrutura em madeira que já foi utilizada como observatório
de aves e que actualmente é usada como apoio às actividades desenvolvidas pelo ICNB neste local. Seguir por um caminho
carreteiro que acompanha o paul para nascente e usufrua da elevação do terreno para apreciar toda a área de caniçal e salgueiral da
zona central do paul. Quando atingir uma estrada de terra no sentido para norte, prossiga em direcção à povoação do Casal do
Redinho, local onde este percurso termina.

Percurso 3
Tem início na “entrada” do paul, junto a um painel informativo sobre o Paul da Madriz. Prosseguir pela estrada alcatroada em
direcção a Vila Nova de Anços, até encontrar uma estrada de terra do lado direito. Seguir sempre por esta estrada, até atingir o limite
da cumeada. Este percurso atravessa uma zona de pinheiros e matos, sendo possível aqui observar algumas das rapinas
recenseadas nesta zona, como o açor, gavião, a
coruja-do-mato e o bufo-pequeno. No limite da cumeada, flectir para a direita,
utilizando um caminho carreteiro até alcançar um poste de transporte de linhas eléctricas de média tensão. Desta zona pode
apreciar toda a zona poente do paul, formado por caniçal, lagos e valas, onde pode observar a colónia de
garça-vermelha e os
anatídeos, bem como grande parte dos arrozais do Baixo Arunca. Deste ponto, seguir ao longo das linhas eléctricas em direcção a
sul, ultrapassando uma antena de telecomunicações, descendo por uma estrada de terra até atingir uma área agrícola. Seguir por
uma estrada de terra que se inicia do lado esquerdo, até atingir novamente a linha de cumeada, efectuando-se o caminho em
sentido inverso ao percorrido no início deste percurso, até atingir novamente o painel informativo. Junto a este painel, pode iniciar um
pequeno percurso que o vai levar até ao centro do paul, ao longo da Vala do Moinho, atravessando um conjunto de formações
aluvionares, constituídos por diversos salgueiros, amieiros, freixos-de-folha-estreita, sanguinhos-de-água e ulmeiros. Constitui um
bom pouso de vigia para rapinas, nomeadamente o
tartaranhão-ruivo-dos-pauis, o gavião e o açor. É também utilizado como habitat
de nidificação pela
coruja-do-mato e por diversos passeriformes, tais como felosa-poliglota, rouxinol-bravo e chapim-rabilongo. No
Inverno é ainda utilizado por espécies como a
estrelinha-real, dom-fafe e o lugre.
O Concelho de Soure possui um oásis de biodiversidade, o Paul da
Madriz. Situado num vale cada vez mais uniformizado mas que ainda
possui áreas agrícolas e florestais de elevado interesse para a avifauna,
esta área surge-nos como uma ilha de esplendorosa natureza e vida
selvagem. É um espaço pouco significativo em termos de área ocupada,
mas pleno de diversidade, de beleza, de valor, de importância na
sobrevivência das espécies. É também um espaço que continua a ser
muito ignorado, ou menosprezado na sua importância por quem lhe
passa ao lado sem o procurar ver, conhecer e perceber.
O paul da Madriz é
um
Sítio Ramsar.

Para saber mais
clique
aqui.
O paul da Madriz
é uma
ZPE (Zona
de Protecção
Especial para a
Avifauna)
.

Para saber mais
clique
aqui.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites