avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados.
Pintassilgo
Carduelis carduelis
Identificação
Esta pequena ave granívora é conhecida por quase toda a gente, pelo que se trata
de uma espécie de relativamente fácil identificação. A sua máscara vermelha, a
cabeça branca e preta e as manchas amarelas nas asas fazem do pintassilgo uma
ave bastante colorida e com um padrão facilmente reconhecível, mesmo em voo.
Durante a Primavera, pode ser observado a cantar no alto de árvores, antenas,
postes e telhados. No Inverno agrega-se frequentemente em bandos de dimensões
consideráveis, que podem juntar centenas de aves.

Abundância e calendário
Abundante e bem distribuído ao longo do território continental, mas claramente
mais comum no sul do que no norte, o pintassilgo ocupa uma variedade imensa de
habitats, desde parques e jardins urbanos, a montados, pomares, bosques
abertos, orlas, e, também, estepes cerealíferas durante o Inverno, onde é bastante
abundante. Apenas evita as áreas densamente florestadas e de altitude. Está
presente no país durante todo o ano.
O garrido do vermelho, amarelo e preto constituem a marca mais saliente deste
pequeno passeriforme.
Onde observar

A presença do pintassilgo está ligada à ocupação humana, quer associada a zonas agrícolas, quer
em parques e jardins urbanos. Ocorre também em zonas florestadas com clareiras, montados e
bosquetes, evitando sobretudo as manchas florestais densas.

Entre Douro e Minhoesta é a região onde o pintassilgo é menos comum, ocorrendo em
pequenos números nas matas da serra do Gerês, no Corno de Bico, na veiga da Areosa e no
vale do Lima, nomeadamente perto de Ponte de Lima.

Trás-os-Montespouco abundante nesta região, pode ser observado nas serras de
Montesinho e da Coroa, em Miranda do Douro, no baixo Sabor e em Barca d’Alva.

Litoral centroocorre junto à lagoa de Óbidos, no baixo Mondego e nas serras de Aire e
Candeeiros.

Beira interiorfácil de observar nesta região onde está presente em locais como o Tejo
Internacional, a zona do Sabugal, Vilar Formoso e o planalto de Ribacoa.

Lisboa e Vale do Tejofrequente nalguns locais da cidade de Lisboa, como o parque do
Tejo e o parque de Monsanto, assim como em diversos jardins lisboetas. É uma espécie
comum em locais como o estuário do Tejo, nomeadamente em Pancas e na Ponta da Erva,
assim como na costa do Estoril, no cabo da Roca e na várzea de Loures. Ocorre também no
cabo Espichel, onde se congregam grandes bandos durante o Outono, e na serra da
Arrábida. Mais a montante no vale do Tejo, temos o paul do Boquilobo como local onde esta
espécie é bastante comum.

Alentejotrata-se de uma ave comum nesta região. Na parte norte do Alentejo, pode ser
observada em Nisa, na barragem da Póvoa, na albufeira de Montargil, na zona de Elvas e em
Arraiolos. Na zona sul, ocorre nas planícies de Castro Verde, na zona de Moura e na zona de
Mértola, e mais junto ao litoral, no estuário do Sado e na lagoa de Santo André.

Algarveo pintassilgo é muito comum nesta região, sendo frequente junto a zonas
húmidas desta região, como a ria de Alvor, a lagoa dos Salgados, o Ludo e a Quinta do Lago,
assim como nas zonas interiores, de que são exemplo a serra do Caldeirão e a Rocha da
Pena. Na zona de Sagres é uma espécie comum, assim como nas planícies adjacentes.  
Ocorre tambem na reserva de Castro Marim.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
.
Clique na seta para ouvir o canto do pintassilgo!
Estatuto de conservação em Portugal:

Pouco preocupante