avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados.
Pisco-de-peito-azul
Luscinia svecica
A observação de um pisco-de-peito-azul pousado sobre um tronco ou um tufo de
sapal tem o dom de animar qualquer sessão de observação num dia frio de Inverno.
Identificação
O macho adulto é fácil de identificar, pois ostenta no peito uma mancha azul com o
centro branco; já o macho jovem e a fêmea apresentam pouco ou nenhum azul; os
machos oriundos da Escandinávia (subespécie
L. s. svecica) têm o centro laranja
em vez de branco. Em todas as plumagens, as aves apresentam uma grande
mancha cor-de-laranja nas penas exteriores da cauda, que são facilmente visíveis
em voo.

Abundância e calendário
O pisco-de-peito-azul é sobretudo um migrador de passagem e invernante, que
ocorre habitualmente em sapais e caniçais, podendo ser visto na maioria das zonas
húmidas costeiras e, com menor frequência, no interior do território; está presente
sobretudo de Janeiro a Março e de Agosto a Dezembro. Contudo, existem algumas
observações primaveris nas serras do interior norte e centro, podendo haver uma
pequena população nidificante nessas regiões.
Onde observar

As grandes zonas húmidas do litoral são os melhores sítios para procurar o pisco-de-peito-azul.

Entre Douro e Minho - o estuário do Douro é um dos melhores locais da região para
encontrar esta espécie.

Trás-os-Montesjá nidificou na serra de Montesinho, desconhecendo-se se é regular
nessa zona.

Litoral centro observa-se na ria de Aveiro (zona de Salreu), no estuário do Mondego, na
zona do paul da Madriz e na lagoa de Óbidos.

Beira interiorna década de 1990 foi observado na serra da Estrela, onde nidificou, mas
não se conhecem registos recentes na região.

Lisboa e vale do Tejoo estuário do Tejo (nomeadamente as lezírias da Ponta da Erva, a
zona de Pancas e as salinas de Alverca) é um dos melhores locais do país para observar este
passeriforme, que também aparece esporadicamente na várzea de Loures.

Alentejopode ser visto com regularidade no estuário do Sado e na lagoa de Santo André;
no interior é mais raro, havendo alguns registos na lagoa dos Patos e na zona de Elvas, bem
como observações esporádicas noutros locais.

Algarvea ria de Alvor e a lagoa dos Salgados são dois dos locais habituais de ocorrência
desta espécie, que também se observa nas salinas de Olhão, em Vilamoura, no estuário do
Arade, nas salinas de Odiáxere e no paul de Lagos.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
.
Clique na seta para ouvir o canto do pisco-de-peito-azul!
Estatuto de conservação em Portugal:

Pouco preocupante