avesdeportugal.info
© avesdeportugal.info - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por CiberAjuda.com
Boca do Rio e Paul da Lontreira
Esta pequena zona húmida, situada no barlavento algarvio na
confluência das ribeiras de Budens, Vale de Boi, Vale Barão e
Almádena, surpreende pela sua diversidade avifaunística e pela
ocorrência de algumas espécies pouco comuns.
Melhor época: Inverno e Primavera

Distrito: Faro
Concelhos: Vila do Bispo
Onde fica: No barlavento algarvio, a meio caminho entre Lagos e Sagres. O acesso é feito pela N125 até à
aldeia de Budens (que fica 16 km a oeste de Lagos e 8 km a leste de Vila do Bispo). Junto a Budens, deve
virar-se para sul, pela estrada que tem a indicação “Boca do Rio” – este local fica a cerca de 2 km.

Caso pretenda conhecer outros locais para observar aves nesta região, sugerimos:
A várzea da Boca do Rio pode ficar bastante alagada, atraindo diversas espécies de aves aquáticas
O Paul da Lontreira encontra-se coberto por um vasto caniçal, onde no Inverno se observa o chapim-de-faces-pretas
Visita:
Este local é relativamente fácil de visitar, mercê da sua reduzida dimensão e da existência de bons acessos.

A
Boca do Rio é na verdade o nome da foz, onde se situa a praia. A zona adjacente é composta por uma
várzea húmida, que pode estar alagada, contudo o nível de água varia fortemente com a época do ano e com
as condições meteorológicas. Existe uma estrada que contorna esta pequena zona húmida até ao mar e
que permite observar a avifauna do local; pode ser percorrida de carro, mas vale a pena percorrer uma parte
a pé, pois isso permitirá observar mais aves.
O número e a variedade de aves presentes neste local depende, entre outros factores, do nível de água.
Entre as espécies de aves aquáticas que aqui têm sido vistas com regularidade, são de referir: a
garça-
branca-pequena, o pato-real, a galinha-d’água e o galeirão-comum. Ocasionalmente observam-se também
algumas limícolas. Contudo, na Primavera e no Verão os terrenos podem secar e nessas circunstâncias a
maioria das aves aquáticas abandona o local. Também é possível encontrar algumas espécies típicas de
terrenos abertos, como a
fuinha-dos-juncos, o pintarroxo e o trigueirão. Durante a época dos ninhos vê-se
por vezes a
alvéola-amarela. As encostas adjacentes sao frequentadas por diversas espécies de aves, entre
as quais o
abelharuco, a cotovia-montesina e a toutinegra-de-cabeça-preta. Nas escarpas junto ao mar
pode ver-se o
rabirruivo-preto.

O
Paul da Lontreira (ou Paul de Budens) desenvolve-se para nordeste do local anterior, ao longo da ribeira
de Vale Barão. Pode ser percorrido a pé por um caminho que existe ao longo do seu lado sul. Este paul
encontra-se coberto por uma extensa mancha de vegetação palustre, nomeadamente caniço e tabua e é
frequentado por diversas espécies de aves típicas de caniçal. Entre as espécies mais interessantes são de
referir o
frango-d’água (que é mais frequentemente ouvido que visto) e a felosa-unicolor (espécie pouco
frequente no Algarve). Outras espécies que aqui podem ser vistas são a
garça-vermelha, o rouxinol-bravo, o
rouxinol-pequeno-dos-caniços, o rouxinol-grande-dos-caniços e no Inverno, o chapim-de-faces-pretas. Este
local é igualmente frequentado pelo
bico-de-lacre.

As zonas envolventes desta zona húmida encontram-se cobertas por mato e alguns pequenos bosquetes e
é possível encontrar diversas espécies de aves terrestres, incluindo o
peneireiro-vulgar, a carriça, a
toutinegra-de-cabeça-preta, a felosa-ibérica e a pega-azul.
Fatbirder's Top 1000 Birding Websites
Paul da Lontreira